11 de dezembro de 2019

Riqueza

Jean Tinguely

Por parques e praças,
Ruas e travessas
Tu, meu olhar, caças
A vida. E tropeças.

Uma gargalhada
Vem dum par contente.
Guarda-a bem guardada,
Mas caminha em frente.

Surgem-te sorrisos
Dum lado e de outro lado,
Não faças juízos
Rápidos. Cuidado!

Uma face grave
Nada de revela?
Talvez a dor cave
Só mais tarde, nela.

Num choro, num grito,
Pressentes a dor?
E quedas, aflito.
Segue, por favor.

Segue, bem aberto
Para cada canto!
Olha o desconcerto
Que parece tanto!

Corre, olhar, em roda!
O que te intimida?
A vida? Só toda
Pode amar-se, a vida.

Alberto de Serpa (1906-1992)

Nenhum comentário: