28 de novembro de 2017

Poema da Procura

Georges Seurat
Em nenhuma esquina do teu bairro
Encontrarás o Domingo de tua infância
Povoado de pássaros e melodias.
Hoje, o céu é o lamento das aves de metal,
E os realejos se converteram
Em sereias portadoras de cantos funestos.
Inutilmente recordarás
A sombra antiga das mangueiras
E os crepúsculos tranquilos do mundo que perdeste.
Hoje, és o ser penetrado de ruídos
E em redor de tua angústia
Desfilam máquinas estranhas
E a multidão de rostos que não reconheces...
Além do teu corpo sepultado entre blocos de pedra,
Há um anjo da morte em cada esquina do universo...

Paulo Bomfim

Nenhum comentário: