6 de outubro de 2017

Escrito com tinta verde

Daniel Gerhartz
A tinta verde cria jardins, selvas, prados,
folhagens onde cantam as letras,
palavras que são árvores,
frases que são verdes constelações.

Deixa que minhas palavras, ó branca, desçam
e te cubram
como uma chuva de folhas a um campo de
neve,
como a hera à estátua.
como a tinta a esta página.

Braços, cintura, pescoço, seios,
a fronte pura como o mar,
a nuca de bosque no outono,
os dentes que mordem um fio de erva.

Teu corpo constela-se de signos verdes
como o corpo da árvore de rebentos.
Não te afronte tanta pequena cicatriz
luminosa:
olha o céu e sua verde tatuagem de estrelas.

Octavio Paz (1914-1998)
Tradução: Luis Pignatelli

Nenhum comentário: