22 de maio de 2011

∗ Por Delicadeza ∗

Bailarina fui
Mas nunca dancei
Em frente das grades
Só três passos dei

Tão breve o começo
Tão cedo negado
Dancei no avesso
Do tempo bailado

Daçarina fui
Mas nunca bailei
Deixei-me ficar
Na prisão do rei

Onde o mar aberto
E o tempo lavado?
Perdi-me tão perto
Do jardim buscado

Bailarina fui
Mas nunca bailei
Minha vida toda
Como cega errei

Minha vida atada
Nunca a desatei
Como Rimbaud disse
Também direi:

“Juventude ociosa
Por tudo iludida
Por delicadeza
Perdi minha vida”.

Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004)

Nenhum comentário: