30 de maio de 2008

“Na natureza, a soberania pertence às forças silenciosas. A lua não faz o menor ruído e, não obstante, arrasta milhões de toneladas de água do mar no vaivém obediente ao seu comando; não ouvimos o sol se levantar, nem as estrelas se ocultarem. Assim, a aurora da nova vida surge silenciosamente no homem, sem que nada a anuncie ao mundo”.
Paul Brunton (1898-1981)

Nenhum comentário: