29 de maio de 2020

Cárcere de amor

Lluis Ribas
De todas as mulheres que tu tiveste
a mim me queres mais que nenhuma outra
é o que sempre me dizes. Porém
elas puderam dividir tua cama.
E a mim tu me fechaste neste quarto
em que só visitas pelas tardes.
Trazes-me doces e livros, e me falas
de arte e literatura. Ao despedir-se
me dás um beijo paternal na testa
e assim até outro dia. E permaneço
só e me entedio. E sinto falta de um homem.
Por isso, não estranhes nem me insultes
meu amor, se surges de surpresa
e me vês abraçada ao carcereiro.

Amalia Bautista
Tradução Ronaldo Costa Fernandes

Nenhum comentário: