2 de fevereiro de 2019

A Separação

Francesco Hayez
Ao separar-se, as mãos
costumam dar-se os amantes
e desfazerem-se em prantos
e suspiros incessantes.

Mas entre nós não chorámos
nem ais nem queixas lançámos
só bem mais tarde chegaram
as lágrimas e o desgosto.

Heinrich Heine (1797–1856)
Tradução: Carlos Mendonça Lopes.

Nenhum comentário: