13 de dezembro de 2018

[Só mãos verdadeiras]

Pablo Picasso
A verdadeira mão que o poeta estende
não tem dedos:
é um gesto que se perde
no próprio ato de dar-se
O poeta desaparece
na verdade da sua ausência
dissolve-se no biombo da escrita

O poema é
a única
a verdadeira mão que o poeta estende

E quando o poema é bom
não te aperta a mão:
aperta-te a garganta.

Ana Hatherly (1929-2015)

Nenhum comentário: