24 de abril de 2018

Do ciclo Dança da morte

Connie Chadwell
Noite. Fanal. Rua. Farmácia.
Uma luz estúpida e baça.
Ainda que vivas outra vida,
Tudo é igual. Não há saída.

Morres – e tudo recomeça,
E se repete a mesma peça:
Noite – rugas de gelo no canal.
Farmácia. Rua. Fanal.

Aleksandr Blok (1880-1903)
Tradução: Augusto de Campos.

Nenhum comentário: