23 de outubro de 2017

O poeta começa o dia

Damião Martins
O poeta começa o dia
Pela janela atiro meus sapatos, meu ouro, minha
[alma ao meio da rua.
Como Harum-al-Raschid, eu saio incógnito, feliz
[de desperdício... Me espera o ônibus, o horário, a morte — que
[importa?
Eu sei me teleportar: estou agora
Em um Mercado Estelar... e olha!
Acabo de trocar
— em meio aos ruídos da rua
alheio aos risos da rua —
todas as jubas do Sol
por uma trança da Lua!

— Mario Quintana (1906-1994)

Nenhum comentário: