8 de agosto de 2017

Soneto 64

Paul Delvaux
Ao ver a cruel mão do tempo apagar
Dos ricos o orgulho graças à decadência da idade;
Quando, por vezes, as altas torres são destruídas,
E o eterno escravo do metal entregue à mortal ira;
Ao ver o oceano faminto ganhar
Vantagem sobre os domínios das encostas;
E a terra firme avançar sobre o braço de água,
Equilibrando-se entre perdas e ganhos;
Ao ver tal mudança de condição,
Ou a própria condição confundida, a decair,
Assim ensinou-me a pensar a ruína:
Que o tempo virá e levará o meu amor.
Esse pensamento é mortal, sem outra escolha
Senão a lamentar ter o que se teme perder.

William Shakespeare (1564-1616)
Tradução: Thereza Christina Motta

Nenhum comentário: