28 de junho de 2017

Declaração de amor (O poeta é apanhado na armadilha)

Frederic Soulacroix
Maravilha! Voará ainda?
Sobe e suas asas estão imóveis?!
Quem o leva e faz subir?
Que fim, caminho ou rédea?

Como a estrela e a eternidade,
vive nas alturas, donde se afasta a vida,
Compassivo mesmo para a inveja,
Subiu muito quem o vê planar!

Albatroz! Minha ave!
Desejo eterno me impele às alturas.
Pensei em ti e chorei,
sim, eu te amo!
Friedrich Wilhelm Nietzsche (1844-1900),
Tradução: Márcio Puliesi, Edson Bini e Norberto de Paula Lima

Nenhum comentário: