12 de junho de 2017

Alta é minha janelinha

Vittorio Reggianini
Alta é minha janelinha!
Não a alcança seu mindinho!
No muro, com sua luz,
O sol deitou uma cruz.

Cruz sutil de uma moldura.
Paz que para sempre dura.
E me parece o próprio
Céu, a sepultura!
Marina Tzvietáieva (1892-1941)
Tradução: Aurora Fornoni Bernardini

Nenhum comentário: