6 de maio de 2017

À poesia entendida como uma maneira de organizar a realidade, não ‎de representá-la.

Vladimir Kush
O que nela apraz,
apraz à índole das coisas,
inicialmente sem ir dirigidas a ninguém,
e em essência visões,
e a reflexão
determinando que impulsos, ideias obscuras,
alcancem análogo peso, homologadas
em sentenças que outras
sentenças transformam,
compelidas
pelo que a poesia exige,
o que o poema
há de oferecer à vista,
afetar os sentidos,
o que terá
de oferenda móvel,
em um mundo estático,
e o que a paisagem, os milhões
de gestos universais pedem,
ser formulados
em tecidos de duração perene, claros
de desenho, vozes modificando
hábitos de conceitos e categorias,
e observando
que mais além da verdade
está o estilo
aperfeiçoador da verdade
porque leva em si
a prova de sua existência.

Escreve-a,
extrai dessa ordem
teus reais propósitos,
maior miséria
que a morte ou o nada
é o irreal, o real sem propósitos.

Alberto Girri (1919-1991)
Tradução: Bella Jozef

Nenhum comentário: