25 de maio de 2017

A Poesia e Seu Sítio

Camille Pissarro
O sítio,
viveiro de signos.

Seres estranhos nascendo,
nomeá-los convinha.
Um outro dicionário então se abria.
Os frutos brilhando, o permanente cio.
Como deter o alarido de imagens?
Palavras novas logo soavam como trinos.
E num córrego nadava a metáfora de cada dia.

Samuel Penido (1934-2006)

Nenhum comentário: