10 de fevereiro de 2017

Noite

Albert Bierstadt
As crianças que brincam no entardecer vernal
- um distante clamor -,
a brisa que palavras com os lábios das rosas
sussurra e permanece,

as janelas abertas que respiram a hora,
o meu quarto vazio
um trem que estará vindo de um país ignorado
os meus sonhos perdidos,

os sinos que se esvaem, e a noite que se estende
em cima da cidade,
no semblante dos homens, no espelho do céu,
e em toda a minha vida...

Kóstas Karyotákis (1896–1928)
Tradução: Théo de Borba Moosburger

Nenhum comentário: