27 de fevereiro de 2017

É no meu corpo que morreste agora...

Andrey Shishkin
É no meu corpo que morreste agora
temos o tempo todo
ao nosso lado, como
um lodo onde dormitam as

conhecidas maneiras.
algumas nuvens se aproximam, e depois
se afastam, numa duvidosa
manifestação de imperícia;

os animais falantes
atravessam corredores iluminados,
embarcam na

sossegada lembrança dos sonetos,
o leve sono que pesou no dia
é no meu corpo que morreste, agora.

António Franco Alexandre

Nenhum comentário: