10 de fevereiro de 2017

Crepúsculo

Cornelius Krieghoff
E eu tinha os olhos cheios,
mas tão cheios de luz,
que se fechasse as pálpebras
ela jorraria como pranto,
como pranto — abrindo-se
em flores orvalhadas.
A luz cavava sulcos
em meu cérebro, aligeirando-o
como à árvore o vento
que lhe atira os frutos
ao chão, e aí,
libertas, as folhas
frondejam nas alturas
com um novo frêmito.
A luz cavava sulcos
em meu cérebro e corria-me
pelas veias, lenta, calma.

Ángelos Sikelianós (1884-1951)
Tradução: José Paulo Paes
✿¸.◦*´`✿ "✿¸.◦*´`✿ "✿¸.◦*´`✿ "✿¸.◦*´`✿

Um comentário:

Maria Rodrigues disse...

Excelente escolha, lindo poema, não conhecia o poeta.
Bom fim de semana
Um abraço
Maria