15 de fevereiro de 2017

Ó mar, ó mar

Anton Melbye
O mar dissolve tanta coisa
e a lua leva embora tão mais
do que sabemos -
Assim que a lua baixa
e o mar se apossa de nós
as cidades se dissolvem como sal-gema
o açúcar funde fora da vida
o ferro some como velha mancha de sangue
o ouro se transmuda em sombra verde
o dinheiro sequer deixa um sedimento:
só o coração
cintila em seu triunfo salino
sobre tudo o que soube e agora foi-se
na salinidade do nada.

D. H. Lawrence (1885-1930)
Tradução: Leonardo Fróes

Nenhum comentário: