17 de janeiro de 2017

Árvore da Vida

Gustav Klimt
Eu estou empoleirada em cima da Árvore da Vida
canto como um pássaro.
Vários sóis me cercam,
não uma lua ...
O tempo tem deixado de alguma forma.
A vastidão luminosa quentes
vibra com a música das esferas ...
Para sair ou ficar?
Para retornar à terra?
Para quê? -

Abafando as harmonias celestiais
é o grito silencioso
nos olhos da minha filha,
implorando com gratidão lamentável:
Mamãe, acorda!

E você esquece
que você pode cantar como um pássaro.
Você encontra-se na sala de recuperação
Nua mais despojada do que uma árvore sem folhas em dezembro
e seus dentes estão novamente batendo
ao ritmo de vida difícil.

Bem-vindo de volta.

Oné Baliukonè (1948-2007)

Nenhum comentário: