21 de dezembro de 2016

Soneto menor à chegada do verão

Louis Jean François Lagrenée
Eis como o verão
Chega de súbito,
Com seus potros fulvos,
Seus dentes miúdos,

Seus múltiplos, longos
Corredores de cal,
As paredes nuas,
A luz de metal,

Seu dardo mais puro
Cravado na terra,
Cobras que despertam
No silêncio duro –

Eis como o verão
Entra no poema.

Eugénio de Andrade (1923-2005)


Nenhum comentário: