3 de novembro de 2016

O Semeador

O semeador saiu para semear
Pieter Bruegel the Elder
Eu semeador, deserto afora,
da liberdade, fui com mão
pura lançar, antes que a aurora
nascesse, o grão que revigora
no sulcos vis da escravidão.
Mas todo esforço foi em vão:
joguei vontade e tempo fora.

Pasce, pois eu te repudio,
ralé submissa e surda ao brio.
Libertar gado é faina ingrata,
pois gado se tosquia e mata.
Herda, por gerações a fio,
canga, chocalhos e chibata.

- Aleksander Púchkin (1799-1837)
Tradução: Boris Schnaiderman e Nelson Ascher

Nenhum comentário: