4 de novembro de 2016

Alquimia da dor

William-Adolphe Bouguereau
Um te ilumina com ardor,
O outro te enluta, Natura!
O que diz a um: Sepultura!
Ao outro diz: Vida e esplendor!

Hermes que oculto me conquistas
E para sempre me intimidas,
Tu me fazes igual a Midas,
O mais triste dos alquimistas;

Por ti do ouro o ferro improviso
E torno inferno o paraíso;
Roubando às nuvens seu sudário,

Um corpo querido amortalhado,
E às margens do celeste estuário
Grandes sarcófagos entalho.

Charles Baudelaire (1821-1867)
Tradução: Ivan Junqueira

Nenhum comentário: