9 de outubro de 2016

Silêncio no Silêncio

Jack Vettriano
Há dentro de mim um silêncio,
um tigre andasse me rondando,
olhos viesse o oceano,
nas algas de um verde sem fim.

Pássaro que fosse o silêncio,
por vezes o sino de um pássaro,
de um pássaro que não se caça,
nas algas de um verde sem fim.

Aguça o imenso silêncio,
sino de uma concha ao ouvido,
do marulhar de onda esquecida,
nas algas de um verde sem fim.

Antonio Roberval Miketen (1948-1993)

Nenhum comentário: