28 de outubro de 2016

Ao Silêncio

Sergey Minaev
Ó, voz, única voz: todo o vazio do mar,
todo o vazio do mar não bastaria,
todo o vazio do céu,
toda a caverna da formosura
não bastaria para te conter,
e mesmo que o homem calasse e este mundo afundasse
ó majestade, tu nunca,
tu nunca deixarias de estar em toda parte,
porque te sobra o tempo e o ser, única voz,
porque estás e não estás, és quase meu Deus,
és como meu pai quando estou mais escuro.

Gonzalo Rojas (1917-2011)
Tradução: Antonio Miranda

Nenhum comentário: