13 de setembro de 2016

Soneto XXII

Harald Slott-Møller
Se amor não é qual é este sentimento?
Mas se é amor, por Deus, que coisa é a tal?
Se boa por que tem ação mortal?
Se má por que é tão doce o seu tormento?

Se eu ardo por querer,
por que o lamento?
Ó viva morte, ó deleitoso mal,
Tanto podes sem meu consentimento.

E em sem razão me queixo, se o tolero.
E em tão contrários ventos, frágil barca
me leva em alto mar e sem governo

É tão grave de error (¹), de ciência é parca
Que eu mesmo não sei bem o que eu anseio
E tremo em pleno estio e ardo no inverno.
Francesco Petrarca (1304-1374)
Tradução: Jamil Almansur Haddad
(¹) N.T.: Alude à barca

Nenhum comentário: