11 de setembro de 2016

O circuito inevitável das coisas ociosas

Fithi Abraham
Fazemos o circuito
inevitável das coisas ociosas
sem sentido.

Corpos a ranger
transparentes e leves
sem memória
e sem apelo.

Suburbanos e ausentes
continuam na tarde quente
tão inúteis
como agora.

Incompletos mesmo
partituras negras
monótonos, betonizados
e sem perdão possível.

- Eduardo Pitta

Nenhum comentário: