19 de setembro de 2016

Misérrimo montão de vaidades do homem

Jan Miense Molenaer - Alegoria da Vaidade
Misérrimo montão de vaidades do homem,
Sonhos! que o menor vento e o menor sopro somem
Como se acaba tudo e tudo se dispersa!
O poderio, a dor, a dor na noite imersa,
Cólera, orgulho, amor, tudo, tudo, em resumo,
Não é mais do que pó, não é mais do que fumo!
Para que tanto afã, por que tanta esperança,
Se em vão se corre atrás de um bem que não se alcança?
Dizei, homens! por quê? Por que sempre rugindo
Ameaçais mar e céu? Dir-se-ia, em vos ouvindo
Soprar nesse braseiro aceso de paixões,
No meio do furor das vossas ambições,
Em torno do que a alma abraça, crê e espera,
Que sois feitos de bronze, e entanto sois de cera!

Victor Hugo (1802-1885)
Tradução: Fontoura Xavier

Nenhum comentário: