11 de setembro de 2016

Grandes figuras espirituais do (século XX)

≡ Líderes Espirituais do Século XX ≡
Líder espiritual é aquele que conhece e vive segundo os seus valores, haja o que houver, e faz isso abertamente para que os outros se inspirem.
O líder espiritual também pode ser chamado de realizador, pois consegue, por meio de suas realizações, liberar o melhor que há nas pessoas e devolver a autoconfiança aos seus companheiros. Uma vez acionado esse processo, as consequências são: maior orçamento, maior produtividade, maior empenho, mais lucros, e, consequentemente, mais felicidade. Enquanto o administrador é controlador e burocrático, o líder conquista o respeito e o envolvimento de seus companheiros.
Vejamos os mais conhecidos do Século XX: (por ordem alfabética).
1. Ahmed al-Alawi (1869-1934)
Foi um dos últimos grandes representantes da mística islâmica, em sua linhagem mais sapiencial, no mundo contemporâneo.
Ele foi o fundador de uma das mais importantes confrarias sufis, a Darqawia Alawia, ramo da grande ordem Shadhilia, originária do século XIII.
Al-Alawi foi um crítico, simultaneamente, do extremismo fundamentalista e do modernismo secularista. Para ele, as respostas aos desafios da modernidade estão nas doutrinas e práticas do Islã espiritual.
2. Alce Negro (1862-1950)
Foi um célebre pajé e homem santo da tribo sioux da América do Norte. Com apenas 12 anos, participou da batalha de Little Big Horn (1876); em 1890, foi ferido no massacre de Wounded Knee. Ele ficou conhecido pelo livro "Black Elk Speaks", publicado em diversas línguas, mas ainda não em Português. O livro é um clássico da espiritualidade contemporânea, além de revelar aspectos pouco conhecidos da vida religiosa dos índios norte-americanos.
O inusitado de sua vida é que, tendo sido batizado na Igreja Católica em 1903, continuou sendo, simultaneamente, um líder espiritual da antiga religião pele-vermelha da Sun-Dance (Dança do Sol) e do Calumet (Cachimbo Sagrado). É considerado um homem santo tanto pelos índios como pelos jesuítas que lhe ensinaram o Cristianismo.
3. Alice A. Bailey (1880-1949)
Pesquisadora e escritora inglesa. Seus estudos concentram-se na área da Neoteosofia. Mudou-se para os Estados Unidos em 1907, aonde permaneceu até morrer em 1949. Autora com vastos conhecimentos em misticismo, tendo desencadeado um movimento esotérico internacional. Em 1922, Bailey iniciou a Lucis Trust Publishing Company; em 1923, a Escola Arcana e em 1932 o Movimento Internacional da Boa Vontade.
É uma das herdeiras da escola teosófica fundada pela maior esoterista do Ocidente, a russa Mme.Helena Blavatsky. No outono de 1919 foi contatada pelo mestre tibetano Djwhal Khul e desse encontro surgiram os 24 livros de sua autoria, escritos entre 1919 a 1949.
4. Annie Wood Besant (1847–1933)
Militante socialista, ativista e defensora dos direitos das mulheres, uma das mais notáveis oradoras da sua época, influente e autora de inúmeros livros sobre teosofia.
Sua mais notável vitória neste período foi a greve que ela liderou em 1888 para melhorar a saúde e segurança das trabalhadoras de uma fábrica de fósforos. Durante aquele período a indústria de fósforo era extremamente poderosa, uma vez que energia elétrica não estava ao alcance de todos, e fósforos eram essenciais para acender velas, lampiões de gás etc. A greve de Annie Besant marcou história, pois foi a primeira vez que alguém desafiou com sucesso os fabricantes de fósforos, também foi considerada uma marca de vitória dos primeiros anos do movimento socialista na Inglaterra.
5. Bhagwan Shree Rajneesh (1931-1990) - Osho
Foi o fundador de um movimento filosófico-religioso, primeiro na sua terra natal (Índia) e mais tarde nos Estados Unidos da América. Durante a década de 1970 foi conhecido pelo nome de Bhagwan Shree Rajneesh e mais tarde como Osho.
Embora Rajneesh nunca tenha escrito nenhum livro, muitos foram publicados por transcrições de seus discursos e palestras, livros que até hoje fazem muito sucesso em muitos países, inclusive o Brasil, país que possui um pequeno mas muito ativo grupo de discípulos e simpatizantes, espalhados em muitos dos grandes centros e em algumas comunidades mais afastadas. Muitos desses discípulos exercem algum tipo de atividade terapêutica alternativa e divulgam suas principais meditações, como a chamada Meditação Dinâmica. Alguns técnicos dizem tratar-se de um exercício aeróbico que promove embriaguez por hiperventilação. Outros, com experiência pessoal nessa técnica, dizem que a hiperventilação não causa embriaguez, mas muita disposição física durante todo o dia; não é aconselhável deitar ou sentar-se após esta técnica, mas cuidar das atividades da vida.
Seus discípulos (Sannyasins) o apresentam como um grande contestador e libertador. Seu ensinamento, sem dúvida, enfatizava bastante a busca de liberdade pessoal e apresentava uma atitude mordaz em relação à tradição e à autoridade estabelecida. Entretanto, isso não é apresentado como uma rebeldia sem causa, mas como um transbordamento possível, vindo da meditação.
É uma figura extremamente polêmica. Em boa parte, porque ele próprio raramente procurava apaziguar ou evitar conflitos.
Membros do seu grupo foram acusados de, deliberadamente, causar uma intoxicação com salmonela na comunidade de Condado de Oregon, na sequência de alegadas tentativas para obter vantagens nas eleições do condado. Os seus discípulos garantem que ele teria morrido por envenenamento de tálio radioativo, provocado na altura em que esteve preso, durante trinta dias, nos Estados Unidos, em 1985. Alguns órgãos da imprensa chegam a divulgar que Osho teria morrido de Aids.
Nos EUA, respondeu por 35 acusações e foi condenado a dez anos de prisão. Foi expulso também da Grécia, foi rechaçado da Alemanha e da Espanha e só conseguiu entrar na Irlanda porque seu piloto alegou ter um doente a bordo.
6. Brahmananda Saraswati - Sai Baba (1926-2011)
Um Dalit de 50 milhões de seguidores
Guru indiano. É considerado por muitos como um Avatar. Nasceu numa pequena vila no sul da Índia.
Existem na Índia 250 milhões de Dalits, que enfrentam há séculos a exclusão social, pois os dalits são considerados impuros. Os textos sagrados hindus os definem como a poeira aos pés do deus Brahma. Os dalit não podem sequer tocar com sua sombra um integrante das castas superiores.
Mas Sai Baba venceu este obstáculo e de um pequeno salão rústico onde se reuniam para cantar e aprender os ensinamentos sagrados, em sua juventude, hoje conta com estação de trem e até aeroporto, para receber o fluxo surgido do crescente e incessante movimento de pessoas que, ao ouvir falar sobre Sai Baba, manifestavam a vontade de conhecê-lo pessoalmente.
Atualmente conta até com Planetário e Estúdio Digital, bem como um Estádio de Esportes, diversas residências, acomodações para os visitantes, refeitórios (ocidental e indiano), bem como o Templo principal, conhecido como Mandir, para a celebração de festividades, sendo também espaço para meditações e outras práticas espirituais.
O ser humano verdadeiramente educado é amoroso. Sai Baba propõe e os resultados confirmam, que trabalhar na raiz do problema é o meio de se resolvê-lo: cultivando o coração dos seres humanos, desde pequeninos, quando ainda estão em sua pureza original, ministrando a sabedoria da Unidade de toda a Vida. Estes irão, adiante, naturalmente multiplicar o amor recebido.
Morreu em 24 de abril de 2011 por problemas cardíacos e pulmonares, em Puttaparthi, após prolongado internamento hospitalar.
7. Dalai Lama (06 de Julho de 1935)
Ao longo do tempo tornou-se o líder político do Tibete, onde política e religião fundiram-se em um Estado teocrático. Dessa maneira, é comum encontrar-se em literaturas menos especializadas a informação de que o Dalai Lama é um líder temporal e político. Na verdade, ele é um monge e lama, reconhecido por todas as escolas do Budismo tibetano, mas mais comumente associado à escola Gelug.
Além do Papa, é a única pessoa a quem se atribui o título de Sua Santidade.
8. Frithjof Schuon (1907-1998)
Filósofo, poeta e pintor suíço, principal autor da Filosofia Perene, juntamente com René Guénon.
A ideia central da Filosofia Perene é que a verdade é simultaneamente universal e perene, não pertencendo a nenhuma religião em particular. As diversas religiões mundiais expõem esta Verdade una segundo suas linguagens próprias.
Esta Verdade com "V" maiúsculo é como a luz incolor, e as religiões históricas (Cristianismo, Islã, Budismo, Hinduísmo, Judaísmo, Taoísmo, Confucionismo) são como as várias cores do espectro. O Cristianismo, por exemplo, transmite a "luz incolor" da Verdade fundamental através de um vidro "vermelho". O Islã, mediante a lente "verde". O Hinduísmo pelo vidro "amarelo", e assim por diante.
A Filosofia Perene certamente não se pretende uma "nova religião", destinada a substituir as religiões tradicionais, nem é uma “super religião”, que as fundiria num único organismo. Para ela, a Verdade é veiculada de “formas” diferentes pelas distintas religiões mundiais.
A Filosofia Perene não sustenta que todas as religiões são iguais, como parece dizer um ecumenismo tão fácil como superficial. Ela diz justamente o contrário, ou seja, que a razão de ser destas distintas tradições é veicular a Verdade una para povos e épocas específicas. Isto é, a Verdade perene e universal está além das formas, é supra formal, enquanto as religiões exteriorizam esta Verdade una segundo seus modos específicos.
A ideia histórica da Filosofia Perene existe desde a época do Renascimento (séculos XV e XVI), mas ela passou a se tornar mais conhecida no Ocidente no início do século XX, com a publicação do livro de Aldous Huxley que leva este título (1945).
9. Frithjof Capra (1° de fevereiro de 1939)
Nascido na Áustria é um físico teórico e escritor que desenvolve trabalho na promoção da educação ecológica.
Capra recebeu, em 1966, seu doutorado em física teórica pela Universidade de Viena e tem dado palestras e escrito extensamente sobre as aplicações filosóficas da nova ciência. Atualmente vive com a esposa e a filha em Berkeley, Califórnia, onde é o diretor do centro de educação ecológica.
Capra tornou-se mundialmente famoso com seu O Tao da física, traduzido para vários idiomas. Nele, traça um paralelo entre a física moderna (relatividade, física quântica, física das partículas) e as filosofias e pensamentos orientais tradicionais, como o taoísta de Lao Tsé, o Budismo (incluindo o zen) e o Hinduísmo. Surgido nos anos 70, O Tao da física busca os pontos comuns entre as abordagens oriental e ocidental da realidade.
Outro livro seu tornou-se referência para o pensamento sistêmico: O Ponto de Mutação, cujo nome foi extraído de um hexagrama do I Ching. Nele Capra compara o pensamento cartesiano, reducionista, modelo para o método científico desenvolvido nos últimos séculos, e o paradigma emergente do século XX, holista ou sistêmico (que vê o todo como indissociável, de modo que o estudo das partes não permite conhecer o funcionamento do organismo), em vários campos da cultura ocidental atual, como a medicina, a biologia, a psicologia e a economia.
Seus principais livros:
► O Tao da física
► O ponto de mutação
► A teia da vida - Uma Nova Compreensão Científica dos Sistemas Vivos.
10. George Ivanovich Gurdjieff (1866-1949)
Nasceu na Armênia e morreu em Paris. Ensinou o auto conhecimento profundo, através da lembrança de si, transmitindo a seus alunos, primeiro em São Petersburgo, depois em Paris, o que aprendera em suas viagens pela Rússia, Afeganistão e outros países.
uma figura enigmática e uma força influente no panorama dos novos ensinamentos religiosos e psicológicos, mais como um patriarca do que como um místico Cristão, era considerado, por aqueles que o conheceram, como um incomparável “despertador” de homens. Trouxe para o Ocidente um modelo de conhecimento esotérico e deixou atrás de si uma metodologia específica para o desenvolvimento da consciência.
O ensinamento de Gurdjieff foi transmitido de forma clara para o Ocidente por seu discípulo, Peter Ouspensky.
11. Harvey Spencer Lewis (1883-1939)
Famoso Rosacruz, autor, ocultista, e místico, Fundou nos Estados Unidos a Ordem Rosacruz – AMORC (Antiga e Mística Ordem Rosae Crucis ), sendo seu primeiro Imperator, de 1915 à 1939.
Nasceu em Nova Jersey. Seus pais dedicavam-se, na época à educação, de modo que ele recebeu boa instrução. Trabalhou como publicitário e ilustrador, e utilizou a experiência nessa área para mais tarde promover a AMORC no seu primórdio, através de impressos e livretos. Seus primeiros aprendizados rosacruzes foram relacionados pelos seu interesse em fenômenos paranormais. Convidado para viajar à Europa, à convite de um ramo da ordem na França, logo se relacionou com os rosa cruzes europeus e no final de sua viagem foi iniciado por Emile Dantinne, também conhecido como Sar Hieronymus.
Foi lhe dada a missão de levar o ideal rosa cruz à América (um pequeno grupo havia primordialmente feito um assentamento na Pensilvânia, no início do século XVII, mas foi dissolvido após poucos anos), além de promover a modernização dos seus ensinamentos.
Foi casado duas vezes. Sua segunda esposa foi Martha, com quem se casou em 1937. Juntamente com ela, Lewis viajou ao Egito durante a Grand Tour da AMORC para o Egito.
No passado Lewis manteve uma estação de rádio no Parque Rosacruz, mantendo programas diários voltados à música clássica e ao ensino do misticismo, e também concedeu inúmeras entrevistas à outras rádios.
Lewis também foi um dos três Imperators da FUDOSI, e seu nome místico foi Sar Alden. Ele recebeu inúmeras ordens honorárias, títulos e graus, em agradecimento e reconhecimento por seu trabalho e boa vontade. Seu filho Ralph Maxwell Lewis tornou-se o segundo Imperator da AMORC, e escreveu a biografia de seu pai, intitulada Missão Cósmica Cumprida.
12. Jiddu Krishnamurti (1895-1986)
Nasceu no Sul da Índia em 1895 e foi educado na Inglaterra. Embora não tenha ligações com nenhuma organização filosófico-religiosa nem se apresente com títulos universitários, vêm fazendo conferências para grupos de líderes intelectuais nas maiores cidades do mundo, há já várias dezenas de anos.
Entre seus temas estão incluídos revolução psicológica, meditação, conhecimento, relações humanas, a natureza da mente e a realização de mudanças positivas na sociedade global. Constantemente ressaltou a necessidade de uma revolução na psique de cada ser humano e enfatizou que tal revolução não poderia ser levada a cabo por nenhuma entidade externa seja religiosa, política ou social.
13. José Hermógenes de Andrade Filho
(9 de março de 1921 - 13 de março de 2015)
É mais conhecido como Prof. Hermógenes, é um escritor, professor e divulgador brasileiro de hatha yoga. É fundador da Academia Hermógenes de Yoga.
Nascido em Natal, Rio Grande do Norte, José Hermógenes de Andrade Filho é considerado o pioneiro em medicina holística no Brasil, com mais de 42 anos de prática e ensino de yoga. Filósofo, poeta, escritor e terapeuta, o professor Hermógenes costuma dizer que se sente mais jovem hoje, aos 85 anos, do que se sentia aos 35. Doutor em yogaterapia, título concedido pelo World Development Parliament, da Índia, é o criador do treinamento anti-stress.
Foi um dos primeiros a trazer a mensagem de Sathya Sai Baba para o Brasil. A inauguração do primeiro centro aconteceu no dia 27 de junho em 1987 e foi denominado Centro Bhagavan Sri Sathya Sai Baba do Rio de Janeiro. Mas apesar de seu nome oficial, acabou ficando informalmente conhecido como Centro Sathya Sai de Vila Isabel, devido ao bairro de sua localização.
Hermógenes inclusive traduziu obras importantes de Satya Sai Baba para o português, "O Fluir da Canção do Senhor Gita Vahini e "SADHANA, o caminho interior".
14. Madre Teresa de Calcutá (1910-1997)
Agnes Gonxha Bojaxhiu, conhecida mundialmente como Madre Teresa de Calcutá, foi uma missionária católica albanesa, nascida na República da Macedônia e naturalizada indiana, beatificada pela Igreja Católica em 2003. Considerada, por alguns, a missionária do século XX, fundou a congregação "Missionárias da Caridade", tornando-se conhecida ainda em vida pelo cognome de "Santa das sarjetas".
O reconhecimento do mundo pelo seu trabalho concretizou-se com o Prêmio Templeton, em 1973, e com o Nobel da Paz, no dia 17 de outubro de 1979.
Morreu em 1997 aos 87 anos, de ataque cardíaco, quando preparava um serviço religioso em memória da Princesa Diana de Gales, sua grande amiga e falecida ela própria 6 dias antes, num acidente de automóvel em Paris.
Foi beatificada em 19 de outubro de 2003, com a ocorrência de um milagre ocorrido com Monica Besra, uma indiana, que foi curada de um tumor no estômago de forma inexplicável e cuja cura foi atribuída a Madre Teresa. Segue em aberto o processo de sua canonização.
15. Maharishi Mahesh Yogi (1918-2008)
Maharishi e os Beatles
Em 1967, a Meditação Transcendental atraiu a atenção de George Harrison, que entusiasmado pela leitura de Autobiografia do Iogue do Paramahansa Yogananda contagiou os outros Beatles com os seus anseios místicos.
Maharishi não desperdiçou esta oportunidade única de se associar às pessoas mais famosas e populares do seu tempo e de divulgar a MT junto das massas juvenis. Foi o que aconteceu. Em breve, milhares de jovens hippies e de estudantes acorriam aos centros de MT nos Estados Unidos da América e da Grã-Bretanha, para aprenderem a meditar à semelhança dos seus ídolos, os Beatles.
Em 1968, os Beatles viajaram com Maharishi até à sua Academia de Meditação em Rishikesh, nos Himalaias, na companhia de outras celebridades como Mia Farrow, Donovan e Mike Love dos Beach Boys.
Os Beatles relaxaram, meditaram, mas também, ao que parece, consumiram drogas leves, sem o conhecimento de Maharishi. Segundo reza a história, foi um dos períodos mais produtivos de John Lennon, que escrevia várias canções por dia, que mais tarde fariam parte do White Álbum.
Contudo, teria havido um desentendimento entre os Beatles e Maharishi, por conta do Maharishi ter assediado sexualmente Mia Farrow.
Em entrevista na revista Playboy em 1970, John Lennon afirma ter reunido os demais membros da banda, indo ao encontro do Maharishi para contar que sabiam que ele era uma farsa. Por conta disso, os Beatles acabaram por abandonar o seu retiro espiritual na Índia. A canção Sexy Sadie é uma sátira escrita por John Lennon para relatar o episódio.
Nos anos 70 a Meditação Transcendental tinha sido ensinada a vários milhões de pessoas em todo o mundo, e era praticada por muitas delas, sobretudo universitários e jovens empresários. A MT era uma técnica mental simples, ensinada de forma homogênea e padronizada e, portanto prestava-se facilmente a ser objeto de um estudo científico sério. Os estudos levados a cabo por vários cientistas mostraram que a MT baixava a tensão arterial, o ritmo cardíaco, o índice de lactato, aumentava a coerência e a integração do funcionamento cerebral. Também havia regulação do cortisol e outras hormonas associadas com o stress crônico, e uma regularização saudável dos níveis de serotonina.
Foi nesta década que Maharishi expandiu o seu movimento em nível corporativo, criando vários estabelecimentos de ensino superior, nos Estados Unidos, na Suíça, na Holanda e na Índia.
Outra crítica que se faz a Maharishi refere-se à vertente comercial do movimento e ao fato de ser cobrado bastante dinheiro pelo ensino da MT, ao contrário do que sucede tradicionalmente na Índia relativamente ao ensino das práticas espirituais. O atual preço de um simples curso de MT é exorbitante e inacessível à maioria dos potenciais interessados. Maharishi contrapõe que a formação de instrutores e que a manutenção da organização é muito cara e que, além disso, os benefícios da prática da MT são para uma vida inteira.
O certo é que esta política pouco sensata e irrealista, que se agravou a partir dos anos 90, levou ao afastamento do cidadão comum da aprendizagem da MT e, inclusive, ao encerramento de inúmeros centros a nível internacional. Houve bastantes rupturas dentro do movimento e alguns instrutores passaram a ensinar a MT por conta própria, cobrando preços acessíveis e razoáveis para a generalidade do público.
16. Mahatma Gandhi (1869-1948)
Mahatma Gandhi (do sânscrito "Mahatma", "A Grande Alma") foi o idealizador e fundador do moderno Estado indiano e o maior defensor do Satyagraha (princípio da não-agressão, forma não-violenta de protesto) como um meio de revolução.
O princípio do satyagraha, frequentemente traduzido como "o caminho da verdade" ou "a busca da verdade", também inspirou gerações de ativistas democráticos e anti-racismo, incluindo Martin Luther King e Nelson Mandela. Frequentemente Gandhi afirmava a simplicidade de seus valores, derivados da crença tradicional hindu: verdade (satya) e não-violência.
Admirado por aliados e adversários, foi chamado pelo Primeiro Ministro Britânico Winston Churchill de “faquir despido”. A questão que marca é: um faquir despido, que se alimenta com uma côdea de arroz e uma tirina d’água por dia e se veste com uma peça de tecido feita por ele mesmo e que muito se assemelha a uma fralda, um homem com tal forma de comportamento e hábitos espartanos pode ser suspeito de corrupção? Alguém presumiria estar ele lutando por algo diferente do que diz?
Albert Einstein o saudou como “porta-voz da humanidade”.
Quando o armamento mais sofisticado está nas mãos do adversário, que domina, a resistência pacífica, fundada na resistência e persistência pela Verdade é o encaminhamento mais eficiente. Impossível ao hindu derrotar o dominador britânico através de guerrilhas ou luta armada. Por outro lado, utilizando a Verdade como arma seu poderio é inquestionável!
Encaminhar o processo político a partir de um resgate profundo do que de mais sincero, bonito e duradouro existe na Tradição e na Alma de seu povo, esta é uma das lições que nos deixa Mahatma Gandhi.
17. Masaharu Taniguchi (1893-1985)
Líder religioso japonês, fundador da Seicho-No-Ie. (Lar do Progredir Infinito, numa tradução livre), enfatiza o não sectarismo religioso, as práticas de gratidão à família e a Deus, e o poder da palavra positiva que influencia na formação de um destino feliz.
Nascido na cidade de Kobe, no Japão. Contra o desejo dos pais, que prefeririam que ele fosse estudar medicina, Taniguchi iniciou em 1911 seus estudos na área de literatura inglesa pela Universidade de Waseda em Tóquio. Paralelamente, estudava também filosofia tanto ocidental quanto oriental e tomou contato com obras de autores como Schopenhauer, Nietzsche e Oscar Wilde, que o levou a refletir sobre os problemas da humanidade e soluções para as contradições que ele teria constatado.
Em 1929, depois de muito estudo e contemplação, ele reportou ter recebido uma revelação divina que o impeliu a apresentar essa nova doutrina à humanidade, compilada no livro chamado "A Verdade da Vida". Seu tema principal se refere às possibilidades individuais de cada um atingir a realização espiritual, e como a vida pode ser destinada a ser harmoniosa e alegre em todos os aspectos.
Em 1930, Taniguchi fundou a Seicho-no-iê, ao publicar também a revista homônima, a fim de tentar explicar aos outros suas próprias revelações e, em 1932, são publicados os primeiros exemplares de sua obra "A Verdade da Vida".
A partir de 1962, inicia várias viagens internacionais pela Europa e pelas Américas para divulgar seus trabalhos e revelações pessoalmente, tendo visitado os Estados Unidos por três vezes, e também o Canadá, o México e o Brasil por duas vezes, acompanhado de sua esposa Teruko. Na segunda vez que esteve no Brasil, disse que em sua próxima vida pretendia nascer nesse país.
Masaharu Taniguchi faleceu em Nagasaki, aos 92 anos de idade, em 1985. Segundo sua esposa, Teruko Taniguchi, quatro dias antes de sua morte ele deu a entender que sabia quê iria falecer, embora nunca o tenha dito diretamente.
18. Padre Pio de Pietrelcinai (1887-1968)
Foi um sacerdote católico italiano elevado a santo pela Igreja Católica como São Pio de Pietrelcina.
Foi ainda em vida, de uma veneração popular de grandes proporções, principalmente por uma sua capacidade de curar os enfermos.
Aos casos mais urgentes e complicados o frade de Pitrelcina dizia: "Estes só Nossa Senhora", tamanha era a sua confiança na sua mãezinha do céu a quem ele tanto amava e queria obter suas virtudes.
Percebendo que a sua missão era de acolher em si o sofrimento do povo, recebe como confirmação do Cristo os sinais da Paixão em seu próprio corpo. Estava aí marcado em si mesmo a sua missão. Deus o queria para aliviar o sofrimento do seu povo. Entregando-se inteiramente ao Ministério da Confissão, buscava por este sacramento aliviar os sofrimentos atrozes do coração de seus fiéis e libertá-los das garras do Demônio que era conhecido por ele como "barba azul". Torturado, tentado e testado muitas vezes por este, sabia muito da sua astúcia no seu afã em desviar os filhos de Deus do caminho da fé.
A pedido do Santo Padre, devido aos horrores provocados pela Segunda Guerra Mundial, cria os grupos de Oração, verdadeiras células catalizadoras do amor e da paz de Deus para serem despenseiros de tais virtudes no mundo que sofria e angustiava-se no vale tenebroso de lágrimas e sofrimentos.
O procedimento que levou à sua canonização teve início em 29 de novembro de 1982. Em 20 de março de 1993 foi começado o processo diocesano para sua canonização. Em 21 de janeiro de 1990 Padre Pio foi proclamado "venerável", beatificado em 2 de maio de 1999 e foi canonizado em 16 de junho de 2002, proclamado na Praça de São Pedro pelo pontífice Papa João Paulo II como São Pio de Pietrelcina.
A sua festa litúrgica é celebrada dia 23 de setembro.
19. Paramahansa Yogananda (1893-1952)
Foi um yogi e guru indiano. Ele foi importante instrumento na difusão da Kriya Yoga no Ocidente. Sua autobiografia relata que desde sua infância, sua consciência e experiência espirituais eram extraordinárias. Na sua juventude procurou vários sábios e santos hindus esperando encontrar um mestre para sua busca espiritual. Sua história ficou imortalizada em sua Autobiografia de um Yogue.
Em 1920, foi aos Estados Unidos como delegado da Índia para o Congresso Internacional de Religiosos Liberais realizado em Boston. Naquele mesmo ano fundou a Self-Realization Fellowship para disseminar por todo o mundo seus ensinamentos nas práticas ancestrais da Índia, na filosofia do Yoga e suas meditações tradicionais. Pelos próximos anos , palestrou e ensinou na costa leste dos Estados Unidos e em 1924 iniciou uma caravana de palestras por todo o continente. Após quinze anos de trabalho no Ocidente, Sri Yukteswar conferiu a ele o título de Paramhansa, o qual significa literalmente "Cisne Supremo" mas segundo Sri significa aquele que manifesta o estado supremo de comunhão com Deus.
Yogananda mostrou a seus estudantes a necessidade da experiência direta da verdade, em oposição à fé cega." A verdadeira base da religião não é a fé, mas a experiência intuitiva. A intuição é a força da alma no conhecimento de Deus. Para conhecer profundamente a religião, é necessário conhecer Deus".
Cartaz do filme sobre a vida de Paramahansa Yogananda
Para esse fim, ensinou certas técnicas de yoga que acreditava ajudaria seus alunos a alcançarem a auto realização.
Uma Oração:
"Pai Celestial, Mãe, Amigo, Bem Amado Deus. Jesus Cristo, Bhagavan Krishna, Mahavatar Babaji, Lahiri Mahashaia, Swami Sri Yuktéswar e nosso amado Guru, Paramahansa Yogananda. Santos de todas as religiões, nós vos reverenciamos. Pai Celestial, que o teu amor brilhe para sempre no santuário de nossa devoção. Que nós possamos despertar o teu amor em todos os corações".
OM, Paz, Amém!
20. Peter Ouspensky (1878-1947)
Nasceu em Moscou. Já era um conhecido matemático, escritor e jornalista quando, em 1915, conheceu Gurdjieff. Seu trabalho com Gurdjieff desenvolveu-se basicamente em três anos, até 1918, sob as difíceis condições da guerra e da revolução. Divulgou o Trabalho especialmente na Inglaterra, e depois nos Estados Unidos.
Sua obra o Quarto Caminho era lida em voz alta especialmente nos grupos londrinos de Ouspensky de 1926 em diante.
21. Prajapita Brahma (1876-1969)
Fundador da Brahma Kumaris."Muito amor no coração por todos e nenhum apego por ninguém, tentar não prejudicar pessoa alguma minimamente e eliminar da mente qualquer pensamento negativo, fazendo um exercício diário e ter a certeza de que não estamos aqui à-toa, mas para cumprir o destino da evolução. Que somos caminhantes, sem dependências ou estabilidades. Quem não percebe isso se torna escravo do desnecessário e polui a mente".
22. René Guénon (1886-1951)
Metafísico e crítico social francês.
Foi o principal porta-voz, juntamente com Frithjof Schuon, da "Escola Perenialista" – baseada na Filosofia Perene. Autor universalista, esposava a tese da "unidade transcendente das religiões", ou seja, que as diversas tradições religiosas mundiais têm um fundamento metafísico e espiritual convergente. A partir de 1930, viveu no Cairo, onde praticou o Islã como sua religião pessoal; ao mesmo tempo, continuou expondo a doutrina da universalidade da verdade, como se pode verificar nos livros "Símbolos da Ciência Sagrada" e "O Reino da Quantidade e os Sinais dos tempos".
O termo filosofia perene geralmente é usado como sinônimo de Sanatana Dharma (sânscrito para "Verdade perene ou eterna"). Leibniz o utilizou para designar a filosofia comum e eterna que é subjacente a todas as grandes religiões mundiais, em particular suas místicas ou esoterismos.
A vasta e influente obra de René Guénon pode ser classificada em três categorias.
1. A primeira é a da exposição da metafísica tradicional, como veiculada em Shânkara (filósofo hindu do século IX), Platão ou Plotino.
2. A segunda é a da crítica da mentalidade materialista, evolucionista e relativista da modernidade.
3. A terceira categoria é a da explicação do simbolismo tradicional, seja o cristão, o islâmico, o hindu, o taoísta ou o universal.

Nenhum comentário: