8 de setembro de 2016

Este meu corpo

Elena Filatov
O corpo me é dado – e com que fim,
Meu corpo único, tão de mim?

Pela alegria chã de respirar,
Silenciosa, a quem devo louvar?

Sou jardineiro e sou flor – cativo
Na prisão do mundo sozinho não vivo.

E já nos vidros da eternidade
Cai meu calor, meu sopro respirado.

Nela se grava um desenho pra sempre,
Irreconhecível de tão recente.

Escorra do momento a água turva –
O desenho amado não esbate à chuva.

Óssip Mandelstam (1891-1938)
Tradução: Nina Guerra e Felipe Guerra

Nenhum comentário: