17 de agosto de 2016

Sem Memória de Morte

Sandro Botticelli
A primavera desperta árvores e rios;
a voz profunda não ouço,
em ti perdido, amada.

Sem memória de morte,
unidos na carne,
as trombetas do último dia
nos despertam adolescentes.

Ninguém nos ouve:
o leve respirar do sangue!

Feita ramo
floresce em teu flanco
a minha mão.

De plantas pedras águas
nascem os animais
ao sopro do ar.

Salvatore Quasimodo
Tradução: Geraldo Holanda Cavalcanti

Nenhum comentário: