14 de julho de 2016

Janela

Georg Friedrich Kersting
Não és tu nossa geometria,
janela, tão simples forma
que sem esforço delimita
nossa vida enorme?

Aquela a quem se ama nunca é tão bela
como quando a vemos surgir
enquadrada por ti; é que, ó janela,
tu a tornas quase eterna.

Todos os acasos são abolidos. O ser
permanece no meio do amor,
com este pouco espaço ao redor
do qual se é senhor.

Rainer Maria Rilke (1875-1926)
Tradução: Carlos R. Monteiro de Andrade

Nenhum comentário: