11 de junho de 2016

Ao Cantor de Amor

Edgar Degas
Se queres em peito humano
Todas as cordas mover,
Desfere os sons da tristeza;
Não descantes o prazer.
Para muitos cá na terra
Nunca a ventura existiu:
Mas quem ainda no peito
A voz da dor não ouviu?

Friedrich Rückert (1788-1866)
Tradução: Bernardo Taveira Júnior

Nenhum comentário: