2 de maio de 2016

Sobre Sua Cegueira

Pablo Picasso
Medito: nem chegara ao meio a minha vida,
em vasto e negro mundo a luz tivera fim;
o Talento que é morte não usar, em mim
conservo-o ocioso, embora de alma resolvida

a pôr tal moeda de bons lucros acrescida,
para que Deus não zangue ao retornar enfim.
“Deus quer o labor diurno, e nega a luz assim?”
– tolo indago, e a Paciência logo me revida:

“Deus não precisa nem da obra do homem nem
de Suas dádivas. Melhor O serve quem
melhor Lhe aguenta o suave jugo. O Seu estado

é régio: correm multidões ao Seu mandado
e não têm pouso quer na terra quer no mar:
também O servem os que ficam a esperar.”

John Milton (1608-1674)
Tradução: Péricles Eugênio da Silva Ramos

Nenhum comentário: