28 de maio de 2016

Canção do cego barqueiro

Jean-Baptiste-Camille Corot
Orelha vasta de água,
o que escutas
vem de onde?

Orelha de céu chegado;
caracol de vogais, rio,
o que escutas
vem de quando?

E as coisas parecem ver-nos,
se as estivermos amando.

Trouxe os meus dias pequenos
como ramos de jacintos.
E que possam compreender-me.
E eu a eles, por instinto.

Os dias grandes são poucos,
gloriosos, talvez extremos.
E os diamantes no fogo
duram, enquanto morremos.

Carlos Nejar

Nenhum comentário: