15 de abril de 2016

Poema

Erich Heckel
Nada quero, tudo enjeito,
o maior bem me aborrece,
o prazer me entristece
e o viver, porque é sujeito
a quem dele assim se esquece:
se morro acaba o mal,
fim não queria ver;
se vivo, o padecer
desta dor é tão mortal
que me não posso valer.

Francisco Sá de Miranda (1481-1558)

Nenhum comentário: