7 de abril de 2016

Herança

Gustav Klimt
A vida que nos deram nós vivemo-la.
A fundura transparente dos poços,
a sombra irrenunciável dos pinheiros,
o trânsito custoso dos animais,
o mar tão inseguro dos beijos.
A casa que deixarmos nos recorde
só no manancial dos seus costumes,
só como nós próprios recordamos
o peso milenário dos seus muros,
o cansaço do fruto e das raízes,
a lenda que herdámos dos seus símbolos.
Com que insignificância habita o homem
a pátria da cal e da memória,
o jardim calcinado dos sonhos.
A vida que nos deram nós vivemo-la.
A casa que herdamos habitamo-la.
Tal como a encontramos permaneça,
Antes que nos anuncie o mensageiro
– ofegante e depois de ter cruzado
a névoa por entre as ilhas – a derrota,
como num drama antigo, seu esconjuro.

Vicente Valero
Tradução: Joaquim Manuel Magalhães

Nenhum comentário: