9 de março de 2016

O terno e perigoso rosto do amor

Tito Conti
O terno e perigoso
rosto do amor
me apareceu numa noite
depois de um dia muito comprido
Talvez fosse um arqueiro
com seu arco
ou ainda um músico
com sua harpa
Não me lembro mais Nada mais sei
Tudo o que sei
é que ele me feriu
talvez com uma flecha
talvez com uma canção
Tudo o que sei
é que me feriu
feriu aqui no coração
e para sempre
Ardente muito ardente ferida do amor.

Jacques Prévert (1900-1977)
Tradução: Silviano Santiago

Nenhum comentário: