27 de março de 2016

Fuga

Edward Cucuel
Quando as raposas comerem as últimas uvas douradas,
E o último antílope branco for morto,
Deixarei de lutar e fugirei
Até uma pequena casa que haverei de construir.

Antes, porém, me encolherei até o tamanho de uma fada,
Com um sussurro que ninguém entenda,
Fazendo luas cegas de todos os vossos olhos,
E caminhos lamacentos de todas as vossas mãos.

E podereis me buscar às apalpadelas
Em cavidades sob a raiz do mangue,
Ou onde, na chuva com aroma de maçãs,
Os prateados ninhos da vespa pendem como fruta.

Elinor Wylie (1885-1928)
Tradução: J. A. Rodrigues

Nenhum comentário: