1 de março de 2016

Fragmento Noturno

Claude Monet
O nevoeiro desce lentamente a colina
E conforme subo mais se adensa:
Fecha-se à minha volta, apodera-se de mim
Como lençóis caídos sobre o chão.

Aqui ficam as últimas e ascendentes ruas,
Galerias, que correm pelas veias do tempo,
Quase familiares, onde rastejo em direção ao sono
Como nevoeiro e pelo nevoeiro como sono.

Thom Gunn (1929-2004)
Tradução: Maria de Lurdes Guimarães

Nenhum comentário: