13 de março de 2016

Deve haver

Elisabeth-Louise Vigee Le Brun
Que rosto procuramos no papel pautado
Enquanto o aparo range na tarde sem-fim
E as moscas zumbem e a modorra cai,

Que corpo procuramos no escuro da noite
Envolvendo o silêncio do quarto alugado
E na repulsa de um leito solitário,

Que voz procuramos ouvir dia após noite
Nas ruas e casas e becos e praças e jardins
Não sabemos
Senão depois de os termos ignorado.

Tomaz Kim

Nenhum comentário: