12 de janeiro de 2016

Repente

Thomas Cole
Preciso do repente, como quem abre
a fresta de um relâmpago.
Ah céu anoitecido onde vivo,
que importa o desalinho
se a febre é o meu sistema?
Descerrem-se portas, retinam
momentos de luz, trevas feridas,
missas proibidas, primaveras.

Tudo serve à fome que me impele.

Lúcio Cardoso (1912-1968)

Nenhum comentário: