2 de janeiro de 2016

Poema

Gustave Brion
Alegria —
Ó minha vida! —
Permanece,
Sê ainda amor.

Lá no alto
Onde prossegues,
Guia-me…
Sê ainda a chuva benfazeja
Que refresca
A desolada aridez do meu caminho.

Estrela
Ou música descendo!
Se eu te fugir
Harpeja só de leve a noite escura
Que eu regressarei,
Contente e mudo
Como se nunca me tivessem exilado.

Criança!
Eis-me de novo
Dançando
Uma canção que alguém me está cantando
E eu já esqueci…
— Divina se ia erguendo a prece alada.

Alegria —
Ó minha vida! —
Mais profunda do que a julga a agonia
Do homem que padece, Não sejas a morte,
Sê ainda amor!

Ruy Cinatti (1915-1986)

Nenhum comentário: