20 de janeiro de 2016

Esta mão ainda viva

Esta mão ainda viva, quente, ao estender-se
com toda a sua paixão poderia vir, se estivesse fria
e prisioneira no silêncio glacial do túmulo,
assombrar os dias e os sonhos gélidos da noite,
e desejarias que o próprio coração arrefecido
fizesse de novo correr nas minhas veias o calor da vida
até se acalmar o teu espírito. Ela está perto, podes vê-la:
estendo-a para ti.

John Keats (1795-1821)
Tradução: Fernando Guimarães

Nenhum comentário: