17 de janeiro de 2016

A estranha narrativa

Harold Harvey
Nós: rimo-nos do passado.
Amanhã o futuro rir-se-á
de nós.
Assim é o mundo, uma história urdida
por algum grande feiticeiro.
Os vivos desempenham o seu maravilhoso papel
como se já estivessem mortos.
O palco é triste
com a sua cortina de nevoeiro.
E por detrás do pano
os espectadores do futuro observam-nos, rindo.
Não se dão conta de que o argumento
vai tombando sobre as suas próprias mãos.

Abū al-Qāsim ash-Shābbī (1909-1934)
- Poeta Tunisino
Tradução: Luís Filipe Parrado

Nenhum comentário: