28 de dezembro de 2015

Feliz

Pierre Auguste Renoir
Fita de areia sobre o acerado
mercúrio do rio. O sorriso
difuso suspenso da tarde.
Alcançando-se, a epiderme
dos dedos longos.

Eras feliz. Dizias,
o sol morno sobre os cabelos.
Feliz como nos retratos,
como na tarde longínqua
do sorriso. Como o rio
tranquilo.

Existiu e não é.
Os retratos amarelecem no fundo da gaveta.

Rui Knopfli (1932-1997)

Nenhum comentário: