17 de novembro de 2015

Ode ao Vento Oeste IV

Édouard Manet
Se eu fosse como uma folha morta que arrastasses,
uma repentina nuvem que contigo fugisse,
ou qualquer onda a estremecer sob a tua força,

capaz de vir compartilhar esse impulso, apenas
menos livre do que tu, ó indomável!
Se eu pudesse ser como minha infância

o companheiro dessas viagens ao longo do céu
ou como no tempo em que ultrapassar o teu largo voo
me parecia uma ilusão_ nunca teria assim lutado

contigo, suplicante, no meu amargo, infortúnio.
Oh! vem, leva-me como uma vaga, folha de nuvem
_ os espinhos da vida dilaceram-me, e eu sangro!

Um pesado fardo de horas aprisionou e venceu
um ser semelhante a ti, indócil, veloz, e orgulhoso.

Percy Bysshe Shelley (1792-1822)
Tradução: Fernando Guimarães

Nenhum comentário: