1 de novembro de 2015

O Som do Mar

Karl Gussow
O mar despertou à meia noite de seu sono,
E nas cercanias de distantes praias pedregosas e amplas
Escutei a primeira onda da maré crescente
Estugar adiante com ininterrupta varredura.

Uma voz desde o silêncio do abismo,
Um som misteriosamente multiplicado
A partir de uma catarata de um lado da montanha,
Ou rugido de ventos por sobre uma arborizada escarpa.

Assim vem a nós, às vezes, do desconhecido
E de solidões inacessíveis do ser,
O murmúrio das marés do mar da alma;

E inspirações, que consideramos como nossas próprias,
São alguns presságios divinos e vaticínios
De coisas para além de nossa razão ou controle.

Henry Wadsworth Longfellow (1807-1882)
Tradução: J. A. Rodrigues

Nenhum comentário: