7 de outubro de 2015

Poética

Willem Haenraets
Que seria de mim se não tivesse
um verso para sonhar a cada manhã?
Um homem é um fracasso se não ganha
com sóis de ilusão a sua primavera.

Que seria de mim se não vencesse
tanta mordida triste e de desânimo
abrindo a cada dia a minha janela
ao vento da sede mais verdadeira?

Se, a sede estendida... e a memória...
e o coração... no que vou buscando
e em tudo que penso e o que escrevo

como apoio de minha pequena história
para fazer-nos saber que sigo amando
e convencer-me de que sigo vivo.

Vicente Cano (1927-1994)
Tradução: J. A. Rodrigues

Nenhum comentário: