4 de outubro de 2015

A Chamada

Albert Anker
Eu sou a terra de seus pais,
Em mim a virtude habita.
Trarei os meus filhos de volta,
Passados alguns dias.

Sob os seus pés na grama
Opera o meu apego mágico.
Eles regressarão como estrangeiros.
E continuarão sendo meus filhos.

Sobre suas cabeças, nos ramos
De suas antigas e recém-compradas árvores,
Eu teço um sortilégio
E os atraio até meus joelhos.

Cheiro de fumaça ao fim da tarde,
Olor de chuva durante a noite –
As horas, os dias e as estações
Põem suas almas em ordem.

Até que eu deixe claro o sentido
De todos os meus mil anos –
Até que de saberes os corações eu sacie,
Enquanto lhes ponho lágrimas nos olhos.

Rudyard Kipling (1865-1936)
Tradução: J. A. Rodrigues

Nenhum comentário: